29 de set de 2007

Boyz’n’Grrrls (Esse é muito grande mas é bom! Com o perdão do trocadilho... rs)

- por Karol Felicio e Lívia Francez
O que você prefere? Para qual lado da moeda você olha? Onde termina a modernidade e começa a promiscuidade? O que é liberdade pra você? Em pauta sexo: amor e necessidade.

Homens podem sair à caça, certo? Mulheres não, pega mal. A não ser que elas queiram fazer a linha discreta, separando sexo de sentimento, discernindo até onde ir. É um jogo bem difícil. Só pra iniciadas. Não meter (ui!) os pés pelas mãos, e acima de tudo, confiar no próprio taco e se valorizar. Muita coisa pra conciliar, muito pensamento pra formular. Se joga!

Uma pequena introdução só pra botar (tô demais!) mais lenha na fogueira. Na batalha entre os sexos, entre a vontade de fazer sexo e o pudor de macular a imagem. Um ponto muito simples, necessidade básica, questão fisiológica. Natureza humana.

Mulher gosta de beijo, de amasso, de chamada. Mulher gosta de carinho, declarações e surpresas. Gosta de sexo sem compromisso, mas também busca uma relação estável. Mulher (senão por eles) não vê problema em transar no primeiro encontro, não acha que valha menos por isso. Mulher sabe do seu valor. Mulher... mulher gosta!

Um ser sagaz que sabe onde pisa, que não tem medo do escuro que é segura das suas escolhas. Que não deita diante de mais um otário no seu caminho. Que encara e sabe se livrar de situações – limite. E quando menos se espera, ao menor sinal de despreparo, está zunindo, à procura de outro que melhor se encaixe no seu mundo. Que não julgue, que esteja à frente. Sem caretice, que a veja como mulher e não um pedaço de carne exposto.

Atenção e sensibilidade. Deixa que o compromisso a gente decide mais tarde. Não é muito, só fazê-la sentir-se confortável, amparada e segura de que não é mais um boçal na estrada. Um erro, uma ruga, um cabelo branco. Quer alguém que aprecie o banquete, e não se contente com o couvert. Que explore tudo de bom que ela - por trás dos peitos - pode oferecer. Que desvende o enigma atrás dessa figura de força e aparente indiferença. Não se engane, o ar blasé é só um disfarce, um pedido pra que você abra a caixa de Pandora e desfrute dos segredos mais obscuros da natureza feminina.

Calma lá, não vamos pedir demais!

Tudo bem, são muitos os mistérios e as vontades, não caberia a nós escravizar as pobres almas desses... machos! Que também não tenham tamanha pretensão, seria chaaaato, deixemos essa parte para os terapeutas. Mas pelos menos atentem para detalhes básicos que fazem toda a diferença.

Muito se ouve falar de emancipação feminina, mulheres no comando, tomando as rédeas, metendo a cara, partindo pra ação. Mas será que a macharada está preparada pra todo esse ímpeto de ousadia e atrevimento? É uma questão muito simples. Enquanto nós mulheres, formulamos todo um pensamento, um plano de ação acerca do objeto de desejo, eles, os homens, são muito mais claros em relação às próprias intenções: "Se der mole, eu pego mesmo!".

Mas o que eles não sabem é que as amazonas modernas ainda conservam as mulherzinhas que foram suas avós. Elas só querem um sorriso, um olhar...( chegar puxando o cabelo é pior que usar pochete). Querem uma conversa interessante, alguém que abra a porta... e isso não é careta. Querem que ele ligue no dia seguinte, nem que seja por educação. Querem bom dia, boa noite... e quem sabe uma surpresinha à tarde?! Querem que ele tenha opinião, que escolha o programa de hoje, nem que seja para discordar. Querem saber como foi no trabalho, mesmo que não tenham muito a acrescentar. Querem discutir política e segurança pública (acorda, faz tempo que ela não é uma bonequinha de luxo!). Querem uma trepada inesquecível, e querem conversa e comidinhas para depois do amor. Querem uma respiração quente e ofegante, mas um colinho e um cafuné fazem tão bem! Querem acreditar que são exclusivas, incomparáveis e indispensáveis, mesmo sabendo que ele vai olhar a primeira gostosa de biquíni vermelho (pelo menos seja discreto!). Querem ser orgulho, ser parceira, ativa, necessária; não apenas no porta-retrato da sua cabeceira. Eles dizem que elas só "querem, querem, querem" e no fundo elas não querem nada de mais.

É certo meninos, que a hora é de "pegação", muito previsível. Os homens e a síndrome de Peter Pan, eternamente crianças... mas o tempo passa e uma hora você vai cruzar a esquina e se deparar com ela e isso será mais forte que o macho pegador que existe em você! E você meu bem, vai ajoelhar e pedir colo! Mas estará tão destreinado, tão superficial (afinal são anos de trepadas fáceis) que ela vai te olhar e não vai enxergar mais nada além de capa, um playground para as mais frívolas fantasias.

Uma dica de ouro: comece agora... a prática não leva à perfeição? Mãos a obra! Respeito, admiração e carinho. Cumplicidade, Companheirismo e amizade. Fogo, fungada no cangote e sexo oral. Não engorda, é legal e não faz mal.

Nenhum comentário: