8 de dez de 2007

Subo, desço, sigo

- por Karol Felicio

Subo ladeira com Lenine

Vento na cara
Suor gelado na nuca
Não escorre.

Passo forte, mente leve
Não paro
Acácias, bromélias
Dama-da-noite me chama, impulsiona
Pureza.

Em cada canto janelas sisudas de cortinas cerradas como dentes
Mais longe, mais acima,
Edifícios de costas nuas cheirando a Dior para camuflar o ranço
Luzes coloridas por toda parte
Loucura.

Desço ladeira com Lenine

Muito mais longe e bem mais acima
Num céu negro-azulado, satélites voyeur, estrelas fazendo amor transcendental, sigo com a lua
Sensatez.


De volta ao marco zero

Lenine emudece aos poucos

Tudo muda aqui dentro
Lá fora tudo igual.

Um comentário: