8 de mar de 2008

Resto

- por Karol Felicio

E se foi assim,
quando tudo era brilho, cor e a música era alta

Eu fiquei assim,
poeira e pó


Voltou mutilado, maltratado, manco
Um vaso mal colado,
Oferecendo o amor que não pudera dar

Mas agora o amor é resto, é meio, é quase
e não mais aceito
ou resto de mim ele tambem fará
.

4 comentários:

Felipe Malta disse...

Meio,
Posição que odeio.
Ótima essa também!

Janine disse...

Bonito texto, mas com cheiro de tristeza no ar.

Fred Di Giacomo disse...

Oi! Valeu por ter passado lá no meu blog!
Vai voltar a atualizar o seu agora?
Beijos

Juliana disse...

Lembrei-me d'um verso de Camelo:
Quando o amor entrou no meio,
o meio virou amor.

beijos
=]